sexta-feira, 20 de agosto de 2010

salto


imagem: MarcoiE/flickr

a poesia disse não
aos homens de palha
em clausuras de castelos:
-sou pássaro, sou asas,
sou vento
e não me apetecem
brilhos
irreais-
A poesia disse não
E se atirou no vácuo
Buscando, sabe-se o que.

5 comentários:

nydia bonetti disse...

A poesia anda à procura do poeta que a manifeste. Sabe que acredito cada vez mais nisso, Danilo? Mesmo quando parece dizer não, ela diz sim, quando encontra aquele a quem procurava. Beijo!

Albuq disse...

A poesia busca, abandona e resgata... a poesia encontra o que procura: poetas!

nina rizzi disse...

meu querido, eu e seus cantos tudos, ellenizados ;)

beijos.

MOISÉS POETA disse...

que maravilha , danilo!

a poesia gosta de ser tratada com respeito. e aqui ela é muito bem lapidada.

parabéns pelo poema !

um grande abraço!

Adriana Godoy disse...

Maravilha...beijo