sábado, 6 de março de 2010

poeminha pornô


imagem: Mille Miu/Flickr

arranca-me o medo
estanca-me o olhar cego,
cante uma canção dos beatles
ou das beatas
das velhas igrejas mineiras:
amarre em meu tornozelo
fitas do senhor do bonfim
e me afogue em cheiros
de banhos
nesta noite
olha o diamante no céu:
é uma lua
parindo gotas de chuva
em drops de anis
azulmarinho quase escuro
e os céus despencam chocolate
e morangos- shake shake shake
shakes pearls- sonetos e romeus
julietas e as cores de verona:
ah, as cores do amor:
cante, baby, canções antigas
de ninar velhos meninos
e me deixe sugar teu peito,
engolir teu umbigo
e me enrodilhar no teu colo:
a noite é dia é noite é dia
e eu tô tão sozinho
e a dor dói tanto-
ah- em que esquinas
eu perdi meus sonhos?

vamos nos agigantar
nas mais doidas versões
de kamasutras
e descascar nossas almas
e epidermes
até o âmago
até o amargo
do início
vamos nos embriagar
de álcool e de promessas
vãs:
ando esquecendo seu nome
meu nome
mas seu corpo me lembra
a juventude.

vamos como num filme pornô
gozar ou fingir o gozo
não importa:
o que nos resta
é o desnudar
de nossas almas.

9 comentários:

Lara Amaral disse...

Mandingas de amor, gostei dos versos... A imagem é legal tbm, rs =).

Abraço.

Adriana Godoy disse...

Danilo, sinceramente, queria ter escrito esses versos. Simplesmente rok'n roll, ou blues, ou qualquer coisa assim. Simplesmente genial. Um "poeminha" como esse é um gigante na alma. Parabéns de verdade. beijo.

Albuq disse...

Seu poemia pornô tem um "q" de beleze, de intenso, de mágico, de grande, de lindo...
Gostei dele e da imagem!
bjs, e ótimo fds

Sílvia disse...

Obrigada também :)

Pessoa foi grande!

Beijo

Adrian Dorado disse...

"O medo,
O olhar cego,
as cores do amor,
nigth & day
tô tâo sozinho,
gozar ou fingir gozo,
o que nos resta
é o desnudar
de nossas almas."

Creo que con toda esa poesía, mi querido Danilo, no existen (en vc) ni esquinas ni pérdidas de sueños y menos de juventudes.
Por el contrario, ceciéndote el deseo, te veo mas vivo que el que más.
¡Y lo celebro!

Un fuerte abrazo hermano en poesía.

nina rizzi disse...

puxa, menino, mas que coisa bunita. e esses dois primeiros versos da última estrofe, diabéisso, e as nossas almas, aiai...

Bernardo disse...

unbelieveable... You remind me of Paulo Leminski and Charles... good job

Danilo de Abreu Lima disse...

obrigado a todos pelas visitas... estaremos sempre por aqui... e por aí...
abraços Dal.

Cosmunicando disse...

maravilha, Danilo... um poemaço!