sábado, 5 de setembro de 2009

lemonus em lemuria


foto: flickr/quapan

Lemonus em lemúria
sem lamurias
Sentimonus
see-ntinelas
dos oblíquos
Estertores
Se flores capaz
De florir
Atira-te ao precipício
Do princípio
E sorve
O calor das geleiras
Que prometem nirvanas:
Há canções inauditas
Há umas flores malditas
E porradas de estações
Nos infernos
E nos céus:
Dentre dentes dantes dentro
Mudos & vozes
Açoitam
Os verbos infelizes:
Dizes, não dizes,
Só se forres capaz
Ouvirás os passarins
Esses, sim,
Sabem sinais e caminhos.

5 comentários:

líria porto disse...

apois - sigo trilhas - vim na de nina rizzi, no comentário bonito que deixaste lá... vim, li e gostei! pus entre os favoritos...

Adriana Godoy disse...

Você jogou bem com as palvras e fez um poema repleto de sentidos tortos. Amei suas lemúrias. beijo.

líria porto disse...

então - teus passarins já haviam me avisado que eras mineiro - quanto ao haicai, não é a minha praia, bem que eu tento... risos
besos

Adrian Dorado disse...

Las señales y caminos de abrir el corazo-coronal.

Abraço irmao em poesía.

PD: Acaso vc é sannyasim de Osho?

Danilo de Abreu Lima disse...

adrian, não sou discipulo de osho. Já fiz comentarios na pagina do murilo, que edita o blog do osho. sou espiritualista, enfim- e poeta, principalmente. Abrazos, hermano! gracias pela visita!