sábado, 31 de janeiro de 2009

ORA DIREIS, VER UNICÓRNIOS!


Poema inspirado pelo conto do autor americanoJames Thurber, " Um unicórnio em seu jardim"
foto " Unicórnio II" no site Flickr/Ferran

O unicornio passeia
no jardim
sua implausibilidade.
Entre os jasmins
e rosmarins
passeia, plácido,
o unicórnio
pastando rosas
e lírios
delírios
de quem o vê.

È impossível estar ali
aquele unicórnio
ímpar
mítica imagem
como seus irmãos
centauros
e minotauros
a torturar retinas
camufladas
em paredes
de pedra.

É-lhe impossível
estar ali
pastando musgos
e rosas
em plácida postura.
No entanto
Ele ali está
desafiando os olhos
que teimam em decretar
sua inexistência.

O unicórnio pasta
no jardim
comendo rosas
e lírios.
Sim. Ali está
E ai de quem não o vê
Com os olhos do coração.
Perderá a razão
Do sonho
E o sonho da razão.

E só lhe restará
A camisa de força
do real
Que aí está,
todos os dias,
em toda página
de jornal.

Um comentário:

fernando disse...

que maravilha!

dani,
vou copiar
e colar no cisco...

tem algo
de mistério
nesse teu falar
que assombra tudo que é sério
no estalo
de sonhar

e ai
de quem não se deu conta
de que brincar
é coisa séria
no alto de uma poesia etérea


evoé, poetamais!