quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

SENTIDOS DO AMOR

Assim se ama o Amor:
com todos os sentidos
em todos os sentidos
ama-se o amor.


Ama-se o amor com o olfato:

os cheiros que inebriam
que revolvem as memórias
os perfumes, os fluidos,
o navegar nos momentos
esquecidos.

Ama-se o amor com o tato:

suprema dádiva,
prazer absoluto
quando se toca o corpo ao seu lado
toca-se a música ímpar
das essências
como veludos
de hortênsias.

Ama-se o amor com o olhar:

olhar dentro de outros olhos
flutuar em outras íris
arcos negros sobrancelhas
é acender as centelhas
do fogo que acende os corpos.

Ama-se o amor pelo gosto:

O saber o sabor
O paladar
Gosto novo a cada vez
Que a boca passeia
Anseia
Pela pele pelos poros
Bocas nuas:
Minha, sua




Ama-se o amor com o olhar:

Ver o visto, o não visto,
O imprevisto no escuro,
o vislumbrar de um futuro
o derrubar de muros
o passear, como cegos
egos.
Ver, antever, prever,
O jeito de amar
em cada curva
Do olhar.

Ama-se o amor
com o sentido sexto:

aqueles quereres não querendo
aqueles estares não estando
aquelas sensações
que não se sentem.

Ama-se o amor assim:

apaixonadamente,
em cio,em flor, em semente
incontinente,
navegando em suas águas
perdendo-se em suas ilhas
prendendo-se em seus cabelos
novelos, desvelos.


Aprendendo a reinventar
O gesto feito de vento
O verso sutil, transparente
Como teia de aranha.
Ama-se o amor
com o sentido sexto:
aqueles quereres não querendo
aqueles estares não estando
aquelas sensações
que não se sentem.

Assim se ama o amor.

Um comentário:

maria neusa disse...

Dal: vc sempre me surpreende poetando.Sempre passo aqui pelo seu site e mesmo correndo saio embalada pela força de suas palavras...beijos tietes