terça-feira, 6 de agosto de 2013

exatinexato

exato.
no ex-ato
contínuo
exalto-me
e continuo contigo
contíguo a mim

inexato.
hesito entre
o êxtase
e o êxito
neste este
oeste
sem nortes

morte é o fim?
amarte é a meta?
qual é o mote contínuo
do universo?

exato. te disse
e toquei tua mão
como as cordeias
de um banjo:
acordas em mim
um riso antigo
de anjo



Um comentário:

cisco zappa disse...

inexato
cada vez mais inexato
é este mundo
e tua poesia
e este exato instante
em que ato e existência
se juntam
como melodia e letra

abraços fortes, meu caro poetanto!