terça-feira, 8 de julho de 2008

À SOPHIA


foto "A chair" de luiznavarro/Flickr

Instante

Deixai-me limpo
o ar dos quartos
E liso
o branco das paredes.
Deixai-me com as coisas
Fundadas no silêncio.

Sophia de Mello Breyner Andresen
De "Livro Sexto II" (1962)



Em silêncio
contemplo a quietude
a beatitude
das coisas claras:
o sol adentrando
os quartos
e espantando a noite
desenhando nas paredes
mosaicos de luz.

As paredes brancas
são meu espelho
a transparência
da minha alma

O silêncio murmura
em mim
suas exigências:
estar assim
mudo
assim
quieto
assim
zen
assim sem
sobressaltos.

Como pássaro
no raro instante
do pouso.
instante


Um poema-tributo à poeta portuguesa Sophia Andresen

Um comentário:

Luiz Navarro disse...

belo poema, leve e sincero.

abraços